Meta fez vista grossa para milhões de usuários menores de idade do Instagram, aponta relatório

Por douglas wiggers em 04/12/2023 às 14:55:32

O CEO da Meta, Mark Zuckerberg, e outros altos escalões da gigante da mídia social estavam bem cientes de que milhões de usuários no Instagram são menores de idade, de acordo com reivindicações recém-divulgadas em uma ação movida por dezenas de estados americanos sobre a suposta falha da empresa em proteger os adolescentes de perigos.

Os detalhes foram incluídos em uma reclamação não editada apresentada no final da semana passada por 33 estados. Iniciado originalmente em outubro, o processo alega que a empresa por trás do Facebook, Instagram e WhatsApp "ignorou os danos abrangentes" que causou aos usuários jovens ao implementar recursos viciantes projetados para mantê-los presos aos aplicativos.

"Dentro da empresa, o conhecimento real da Meta de que milhões de usuários do Instagram têm menos de 13 anos é um segredo aberto que é rotineiramente documentado, rigorosamente analisado e confirmado, e zelosamente protegido de divulgação ao público", alega o processo.

A controladora do Instagram recebeu "mais de 1,1 milhão de denúncias de usuários menores de 13 anos no Instagram" por meio de sistemas de denúncia no aplicativo, apenas do primeiro trimestre de 2019 ao segundo trimestre de 2023", alegou a denúncia.

No entanto, a empresa "desativou apenas uma fração dessas contas" e "continuou rotineiramente a coletar dados de crianças sem o consentimento dos pais", alega o processo. As ações da Meta supostamente violaram uma lei federal que bloqueia a coleta de dados pessoais de usuários menores de 13 anos.

A versão não editada do processo também lançou uma nova luz sobre a resposta interna da Meta às alegações da ex-funcionária Frances Haugen, que testemunhou no Capitólio em 2021 que a empresa de Zuckerberg priorizou os lucros em detrimento da segurança do usuário, apesar de pesquisas internas mostrarem que suas plataformas estavam causando danos.

As alegações de Haugen foram relatadas pela primeira vez em uma investigação abrangente do Wall Street Journal em 2021, que revelou em parte que os executivos da Meta sabiam que o Instagram era particularmente tóxico para meninas adolescentes – algumas das quais desenvolveram problemas de imagem corporal, ansiedade ou até pensamentos suicidas.

O processo cita mensagens da porta-voz da Meta, Stephanie Otway, ao chefe do Instagram, Adam Mosseri, nas quais ela observou que os "argumentos dos jornais [são] baseados em nossa própria pesquisa, então [eles] são difíceis de refutar" e que ela estava "principalmente preocupada com as consequências do artigo. . . [e] que nossa própria pesquisa confirmou o que todos suspeitavam há muito tempo[.]"

Em um bate-papo interno de novembro de 2021, Mosseri teria escrito: "os pré-adolescentes querem acesso ao Instagram e mentem sobre a idade para obtê-lo agora". Os procuradores-gerais do estado argumentam que esse é um dos muitos sinais de que os funcionários da Meta sabiam do problema dos usuários menores de idade.

Um mês depois, porém, Mosseri declarou aos membros do Senado durante uma audiência altamente divulgada que crianças menores de 13 anos "não eram permitidas no Instagram".

O processo afirma que uma pesquisa da empresa de março de 2021 revelou que o algoritmo de recomendação do Instagram "demonstrou recomendar conteúdo relacionado a transtornos alimentares quando recebeu indicações de que o usuário havia se envolvido com conteúdo relacionado a transtornos alimentares no passado".

O processo observa que os executivos da Meta informaram a Zuckerberg "já em 2017" que direcionar crianças menores de 13 anos como usuários potenciais aumentaria "a taxa de aquisição quando os usuários completassem 13 anos".

A denúncia citava um documento interno da Meta de 2018, no qual a empresa admitia que fazia "muito pouco para manter os sub-13 fora de nossa plataforma".

Os estados buscam indenizações financeiras não especificadas, bem como "medidas cautelares" que impeçam a Meta de se envolver nas práticas comerciais prejudiciais descritas na ação.

A Meta disse anteriormente que estava "decepcionada" com o fato de os estados terem optado por entrar com uma ação em vez de trabalhar com a empresa para resolver as preocupações. A empresa disse que impede que usuários menores de 13 anos usem o Instagram e não coleta intencionalmente dados de menores de 13 anos.

As notificações incluem os chamados "alertas táteis", como vibrações e pulsos do telefone, bem como notificações sonoras ou de banner, e-mails e "notificações de crachá" que exibem um indicador vermelho mostrando mensagens não lidas.

A Meta é uma das várias empresas de mídia social que enfrenta pressão de autoridades estaduais e federais por sua suposta falha em policiar o conteúdo veiculado a usuários jovens.

O principal rival do Instagram, o TikTok, de propriedade chinesa, enfrentou recentemente escrutínio depois que os usuários começaram a elogiar Osama Bin Laden após o ataque do Hamas a Israel.

Diego Sousa/IstoÉ

Comunicar erro
Milur Modas
Cipriani Multimarcas

Comentários

Ponto Com
Ponto Com
Papillon